5 sinais que você está em um relacionamento abusivo

5 Sinais Que Voce Esta Em Um Relacionamento Abusivo

“Ele não me deixava mais nem falar com a minha família”.

 

A frase acima é o retrato da vida de milhares de mulheres Brasil a fora que vivem em um relacionamento abusivo.

 

Essas mulheres, estão em um cárcere privado quase que perpétuo, algumas se anularam e aceitaram, outras vivem frustradas, depressivas, subjugadas, e totalmente infelizes.

 

Trata-se de um relacionamento abusivo que tem vitimado milhares de mulheres e que traz inúmeras consequências, de ordem social, psicossomáticas e jurídicas.

 

Sim, jurídicas.

 

Esse é um assunto totalmente voltado para a comunidade jurídica. É certo que o operador do Direito é um analista social.

 

O curso de Direito na verdade tem por nome, CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS, e pouca coisa é tão relevante quanto os relacionamentos na formação de uma sociedade.

É daí que surgem as querelas no âmbito cível, família, previdência, criminal. Portanto é importante atentar para esse aspecto.

 

Pensando nisso, e entendendo que os relacionamentos abusivos são a fonte de muitas questões jurídicas, vou apresentar cinco sinais que mostram que você pode estar em um relacionamento abusivo.

 

Mas, o que é um relacionamento abusivo?

 

Por relacionamento abusivo, entenda que é quando alguém subjuga o outro em uma relação “amorosa”, tornando-o inferior. É claro que há um aspecto subjetivo nisso, pois muitas mulheres, podem estar vivendo um relacionamento abusivo e entendendo como normal. Isso se dá inclusive pela bagagem com que foram formadas.

 

Nesse sentido, espero que esse texto venha ser de grande valia para abrir seus olhos.

 

De outro lado, ainda convém mencionar que alguns homens podem estar vivendo um relacionamento abusivo. Não tenho dúvidas que existam pessoas nessa situação.

 

Entretanto, sabe-se que quem mais sofre com isso são as mulheres, e baseado nisso, esse texto é voltado a elas.

 

Bem, feita a nota introdutória, vamos aos cinco sinais de que você está vivendo um relacionamento abusivo.

 

1- Psicológico

 

Você vive uma relação em que é inferiorizada o tempo todo. Não estamos falando aqui de vitimismo ou coitadismo, a mulher vive uma relação onde é subjugada, e tratada como ser inferior.

 

Expressões como você não presta, eu sou melhor do que você, eu estudei mais, você não sabe de nada, estão presentes o tempo todo, e esse jogo de manipulação e depreciação vai diminuindo a moral da mulher a ponto dela acreditar ser inferior.

 

Esse terrorismo psicológico, é um tipo de violência que se perpetuada trará imensos danos à personalidade e produtividade dessa mulher, podendo levar no âmbito profissional até a sua invalidez permanente.

 

Imaginem que prejuízo, tanto para a mulher quanto para a sociedade. Caso ela seja contribuinte, será a coletividade quem arcará com a sua aposentadoria por invalidez.

 

Veja bem, se você acha ou já tem certeza que o relacionamento que vive você é diminuída o tempo todo, esse relacionamento é abusivo.

 

Imagino que qualquer pessoa consiga entender quando é depreciada em um relacionamento, e isso, mesmo sem a ajuda de terapeuta.

 

2- Falta de liberdade

 

Por óbvio que quem se casa não tem a mesma liberdade que uma pessoa solteira, que não tem hora pra chegar, pode abraçar quem quiser etc.

 

Entretanto, quem se casa, mantém amigos de infância, colegas de trabalho, escola.

 

Como relatado na introdução, há muitos casos que os abusadores não permitem que a mulher tenha relacionamento nem mesmo com a própria família.

 

Isso é A-BU-SO

 

Essa condição de possessão que o homem tem com a companheira é relacionamento abusivo. Ter relacionamentos de amizade e coleguismo é sinal de saúde emocional.

 

Proibir isso por ciúmes e possessão torna o relacionamento abusivo, e isso não pode ser aceito em hipótese alguma.

 

Ao casar-se, mantem-se a individualidade, a bagagem anterior, e os relacionamentos de amizade e coleguismo devem ser mantidos, é direito da pessoa.

 

Mas a falta de liberdade não é só com amizades, mas pior, é até de sair de casa. É cárcere privado. Ao sair a mulher é seguida, tem que mandar foto a todo momento de onde está, ligações com vídeo chamada a todo momento, é uma tortura e sufoco esse relacionamento.

 

Sufocar a pessoa no relacionamento é iniciar o fim do amor. A liberdade é um bem precioso, nações inteiras morrem para defender a liberdade, que dirá um casamento.

 

3. Controle Material

 

Por controle material entenda que o homem não permite a mulher ter uma liberdade econômica. Ele regra tudo, inclusive o que ela faz com o dinheiro que ganha.

 

Veja, é correto o marido orientar a esposa sobre como melhor administrar a economia do lar, estou falando de impedir a mulher a ter qualquer domínio sobre o que lhe pertence, ou pretende possuir.

 

Há homens que não permitem que a mulher trabalhe ou estude com o fito de que ela dependa economicamente dele para a vida toda. Isso é um controle material.

 

Isso é também abuso no relacionamento.

 

Quantas mulheres estudam escondidas de seus maridos, ou enfrentando opressões para que abandonem suas carreiras, seus negócios por puro controle material.

 

Além desses, ainda há os dilapidadores, homens que em um relacionamento, acabam com os bens da esposa, aqueles que pertencem só a ela, suas economias, o que ela trouxe para o casamento, são verdadeiros gigolôs.

 

Reconheça isso como relacionamento abusivo.

 

4. Ciúmes e Possessão

 

Sentir ciúmes é sem dúvida alguma saudável e até necessário em um relacionamento, não se tem ciúmes de quem não importamos.

 

Mas pode também ser doença.

 

Querer controlar cada passo, eu disse, cada passo da companheira, rastreando, fazendo testes a todo momento, é sinal de paranoia e infelizmente há diversos paranoicos por aí que até assassinam suas esposas por conta de ciúmes e possessão.

 

Há grande diferença entre ser companheiro e ser dono. O homem não é dono da mulher, mas essa verdade não é facilmente engolida.

 

Fosse mais fácil esse entendimento, tenha certeza, os casos de violência doméstica cairiam em torno de 70%. A maioria é porque não aceitaram o término, e será que é por amor? Não, possessão.

 

Tratam a mulher como se donos dela fossem, se não é minha não será de ninguém.

 

Possessão, é abusividade no relacionamento, não aceite que alguém  aja como se seu dono fosse. O tempo da escravidão acabou.

 

5. Agressão Física

 

Muito do que foi citado anteriormente é como se fosse uma escala para chegar a agressão física.

 

Começam as manipulações, os controles, a retirada da liberdade, até chegar às vias de fato, até atingir a integridade física da mulher.

 

É claro que antes mesmo da violência física, a violência psicológica já pode ter atingido também o corpo da mulher, diversas doenças são psicossomáticas, há médicos que chegam a afirmar que todas as doenças provêm do emocional.

 

Não pode estar fisicamente saudável, quem vive em um relacionamento abusivo. As vezes você está achando que é outra coisa, mas é o relacionamento que está acabando com você em todos os aspectos, inclusive sua saúde física.

 

Observe que muitas mulheres depois de terminarem um relacionamento abusivo ficam mais jovens, mais belas, e isso é por pura saúde.

 

Mas, voltando à violência física, a degradação chegou ao ponto do companheiro entender que pode inclusive bater na esposa.

 

Lesões corporais leves, graves, e até chegar ao ponto do feminicídio. Não precisa nem dizer que isso é um relacionamento abusivo.

 

Não aceitem a agressão, seja ela qual for, mas principalmente a física.

 

 A violência doméstica e familiar deve ser combatida, com todos os rigores da Lei, com toda a força política, mas o que mais terá efeito, é você mulher não aceitar esse relacionamento abusivo.

 

Ao ser agredida, a mulher não tem que tentar salvar seu casamento, pois não existe mais nada a ser salvo, a não ser sua própria vida.

 

Pense nisso.

 

Existem muitos sinais, mas esses são os cinco principais sinais de que você está em um relacionamento abusivo.

 

Em todo caso, consulte sempre um advogado.

 

Envie esse texto para alguém que precise dessas informações.

 

Faça-me um favor, deixe nos comentários a sua opinião

 

Dr. Rafael Rocha

Compartilhar esta postagem
Fale conosco!